terça-feira, 27 de julho de 2010

SEGUNDA INTENÇÃO

(Manuela Barradas e Rafael Marinho)

“Foi simplesmente o meu querer tão inocente
Teu sem querer que displicente
Bateu minha porta e pôs-se a entrar
De volta, em casa, trouxe a velha alegria
Junto com a hipocrisia
Que cansei de aturar

Deixei os trapos em tua nova moradia
Tudo que você queria
O que é teu eu entreguei
Só me enganei quando te dei meu coração
Aceitando teu perdão
Por uma segunda vez”.

10 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom!!

Olga disse...

Primoroso.!

Isadora Cavalcanti disse...

Minha NOSSA!! Coisa linda e gostosa de ler. Beijos nos dois

Manuela Barradas disse...

Obrigada!! O cumpadi Marinho tbm agradece ;)

*Renata Oliveira disse...

Muito lindo! To passeando por tuas linhas :)

luciana albu disse...

Lindo,lindo e lindo!!!!

Anônimo disse...

Duas pessoas pra fazer isso?

Manuela Barradas disse...

hahahha, os comentários são os melhores.. então, como tem em cima, foram duas pessoas sim!! Esse foi feito pra ser musicado. Surgiu a idéia, um fez um estrofe e não conseguiu dar continuidade, daí o outro terminou/complementou (coisas que só quem filosofa em copo de cachaça sabe) ;)

Fernanda Barradas disse...

E tu filosofa em copo de cachaça, é? E tu é boêmia? E és poeteira tbm?! :O
Hehehe auuuuuuuuuuuuuuu!!

Manuela Barradas disse...

Maaaaaaaaaaaaaarrr!!! =DDD

Postar um comentário

Obrigada pelo comentário. É sempre uma honra lê-lo!!

250x125 Ads1